Rio de Janeiro

1º semestre

  • Dramaturgia:
    Pedro Kosovski por Eu, Moby Dick
    Pedro Paulo Rangel por O Ator e o Lobo
  • Direção:
    Fernando Philbert por Todas as Coisas Maravilhosas
    Ricardo Santos por Rinoceronte
  • Ator:
    Kiko Mascarenhas por Todas as Coisas Maravilhosas
    Ricardo Kosovski por Maracanã
  • Atriz:
    Analu Prestes por As Crianças
    Claudia Ventura por A Verdade
    Stella Freitas por As Crianças
  • Cenário:
    Fernando Mello da Costa por Maracanã
    Fernando Mello da Costa por Solo
  • Figurino:
    Marina Franco por Antes que a Definitiva Noite se Espalhe em Latinoamérica
    Tiago Ribeiro por As Comadres
  • Iluminação:
    Luiz Paulo Nenen por Kondima – Sobre Travessias
    Paulo Denizot por Histórias Veladas
  • Música:
    Dai Ramos por Os Desertos de Laíde
    Wladimir Pinheiro por As Comadres
  • Inovação:
    Companhia Ensaio Aberto pela ocupação e desenvolvimento do Armazém da Utopia
    Junio Santos, Luiz Antônio Rocha e Richard Riguetti pela realização de “Paulo Freire, o Andarilho da Utopia” que dissemina a obra do renomado educador brasileiro em teatros e espaços públicos

São Paulo

1º semestre

  • Dramaturgia
    Newton Moreno por “As Cangaceiras Guerreiras do Sertão”
    Eloisa Elena por “Entre”
  • Direção
    Daniela Thomas por “Mãe Coragem”
    Adriano Guimarães por “A Ponte”
  • Ator
    Luis Miranda por “O Mistério de Irma Vap”
    Rogério Brito por “Ricardo III ou cenas da Vida de Meierhold”
  • Atriz
    Bete Coelho por “Mãe Coragem”
    Tania Bondezan por “A Golondrina”
  • Cenário
    Daniela Thomas e FelipeTassara por “Fim”
    Guilherme Luigi por “Apenas o Fim do Mundo”
  • Figurino
    Karen Brusttolin por “O Mistério de Irma Vap”
    João Pimenta por “Noite”
  • Iluminação
    Cesar Pivetti por “O Mistério de Irma Vap”
    Wagner Freire por “A desumanização”
  • Música
    Felipe Antunes por “Mãe Coragem”
    Meno Del Picchia por “(In) justiça”
  • Inovação
    Coletivo Estopô Balaio pelo trabalho desenvolvido no Jardim Romano, que valoriza a memória do migrante através de “ Cidade dos Rios Invisíveis”.
    Coletivo Negro, Jé Oliveira e artistas aliados, pelo trabalho continuado de investigação estética sob a ótica da cultura negra que resultou na montagem de “Gota D’Água {Preta}”

Jurados

Rio de Janeiro:

  • Ana Achcar (atriz, professora e pesquisadora teatral)
  • Ana Luisa Lima (professora, produtora e gestora cultural)
  • Bia Junqueira (cenógrafa, curadora e diretora de arte)
  • Moacir Chaves (diretor de teatro)
  • Patrick Pessoa (dramaturgo e crítico teatral)

São Paulo:

  • Evaristo Martins de Azevedo (crítico de arte)
  • Lucia Camargo (jornalista e curadora)
  • Luiz Amorim (ator, diretor e gestor em produção cultural)
  • Maria Luisa Barsanelli (jornalista)
  • Ferdinando Martins (professor e crítico de arte)

MAIS SOBRE O PRÊMIO SHELL DE TEATRO

Sobre a premiação

O Prêmio Shell de Teatro é uma das mais tradicionais premiações da cena teatral brasileira. Veja indicados, vencedores e jurados.

Regulamento

Veja o regulamento completo do Prêmio Shell de Teatro, a mais tradicional premiação do teatro brasileiro.

Histórico de Ganhadores

Conheça a relação dos vencedores das edições passadas do Prêmio Shell de Teatro.

MAIS SOBRE SUSTENTABILIDADE

Nossa abordagem

Contribuir com o desenvolvimento sustentável significa ajudar a atender à crescente demanda global de energia de maneira econômica, social e ambientalmente responsável.

Projetos e Iniciativas de Desenvolvimento Sustentável

É importante ganhar e manter a confiança das comunidades onde operamos. Investir em projetos ambientais e sociais é fundamental para tornar nossas operações sustentáveis.