Leandro – Suor

SHELL LEANDRO

Duração: 02:54

[Vídeo]

Vêem-se os pés e a sombra de uma pessoa jogando basquete. O rosto de Leandro é visto de perto.

[Leandro Pinheiro]

Eu, como negro de classe média no Rio de Janeiro... É como

se fosse a exceção da exceção, como se não existisse.

[Vídeo]

Ele corre batendo a bola no chão. Faz uma cesta.

[Texto]

Shell apresenta.

[Texto]

Energia que vem da gente.

[Texto]

Suor.

[Vídeo]

Leandro segue jogando basquete em uma quadra vazia. Faz uma cesta.

 [Leandro Pinheiro]

Aquele basquete que eu joguei na minha infância, ele me ensinou muita coisa. Foi onde eu me senti representado.

[Vídeo]

O rosto dele é visto de perto, ele usa óculos de grau e tem barba. Ele segura um porta-retrato com a foto de 5 pessoas e está em uma sala de estar.

[Leandro Pinheiro]

Meu nome é Leandro, sou neto da dona Rosa, sou filho da Sueli e do Nilton e sou irmão da Thaís.

[Texto]

Leandro Pinheiro – Gestor de Contratos de Pesquisa e Desenvolvimento.

[Vídeo]

A câmera se aproxima do rosto de Leandro.

[Leandro Pinheiro]

Na minha casa, não se falava sobre questão racial. Eu fui falar dois anos atrás, com minha mãe, quando entrei na Shell. Perguntei pra ela, o que ela tinha passado na vida dela por ser negra. Ela abriu a caixa de Pandora e desabou.

[Vídeo]

Leandro tira os óculos de graus, ele está com os olhos marejados, passa a mão sobre o olho esquerdo.

[Leandro Pinheiro]

E isso me fez entender o motivo pelo qual minha família sempre falava sobre educação. A educação da sociedade como um todo. 

[Vídeo]

Leandro é visto trabalhando no computador sentado à mesa de sua sala de estar.

[Leandro Pinheiro]

Eu vivi em um ambiente de pessoas brancas, fui criado de uma forma que todo mundo fosse igual, mas o mundo não me tratava de uma forma igual.

[Vídeo]

Leandro segue jogando basquete em uma quadra vazia. Faz uma cesta.

[Leandro Pinheiro]

A partir do momento em que há o reconhecimento e não uma negação, a gente começa a entender o contexto histórico.

[Vídeo]

A câmera mostra detalhes da mesa da sala de estar de Leandro, e seu perfil trabalhando com o computador.

[Leandro Pinheiro]

O negro no Brasil, ele é, sim, invisibilizado. Precisa ter um esforço extra para poder destacar-se em qualquer camada. E isso também chega a ser cansativo.

[Leandro Pinheiro]

Na Shell, eu consigo, de fato ser o que eu sou e, pela primeira vez na minha carreira, eu estou executando exatamente o que é requisitado para aquela cadeira e com certeza, hoje sou uma pessoa mais feliz em função disso.

[Vídeo]

Leandro está assinando um contrato em sua sala de estar.

[Leandro Pinheiro]

Na Shell sou Gestor de contrato de Pesquisa e Desenvolvimento, e isso, para mim, é supercompensador. Eu consigo vincular a minha história de vida, porque eu recebi essa educação e, hoje, no trabalho eu estou ajudando para que pessoas possam se desenvolver profissionalmente.

[Vídeo]

Leandro está na quadra de basquete se preparando para arremessar a bola na cesta enquanto a câmera dá um giro de 360 graus mostrando seu movimento.

[Leandro Pinheiro]

Energia é respeitar a história, reconhecer e olhar para o futuro de uma forma melhor.

[Vídeo]

Leandro é visto perto das grades da quadra

[Texto]

A energia do Leandro vem de suas raízes. Ele só chegou onde está porque sabe de onde veio. 

A Shell acredita na energia que vem do Leandro.

[Texto]

A Shell acredita na energia que vem da gente.

 [Música de fundo]

Música tema da Shell toca ao fundo.

[Vídeo]

Logotipo da Shell.

Identidade e pertencimento

Desde pequeno, o neto da Dona Rosa aprendeu com o esporte a ter disciplina, respeitar as pessoas e trabalhar em equipe. Sua família o criou dentro de um contexto de igualdade que ele não encontrava no “mundo real”. Até entrar na Shell e começar a analisar sua história por outras perspectivas - com forte contribuição vinda da rede de afinidade pela equidade racial, a B Power. Foi na companhia que, pela primeira vez, conseguiu ser quem realmente é, sem precisar fazer um esforço extra para mostrar seu potencial.

Hoje, seu trabalho como gerente de Contratos de Pesquisa e Desenvolvimento na Shell Brasil o permite abrir caminhos para outras pessoas se desenvolverem e quebrarem as barreiras impostas por preconceitos. Ele atua em uma área que, por meio da inovação e tecnologia, possibilita a construção de um futuro melhor para a indústria e a sociedade. A energia para o trabalho vem todos os dias quando ele acorda e lembra de sua avó, uma grande inspiração em sua vida.

Na imagem, o Leandro, em sua casa, conta sua história para as câmeras da campanha
Leandro Pinheiro é gerente de Contratos de Pesquisa e Desenvolvimento da Shell.

Para você, o que significa ser protagonista de uma campanha de marca da Shell?

Para mim é motivo de muito orgulho, muita satisfação, principalmente por eu ser um executivo negro no Brasil, algo raro, muito difícil da gente ver. O papel da representatividade é muito importante e espero que seja motivo de inspiração para que outras pessoas possam chegar a esse patamar e buscar novos caminhos.

De onde vem e para onde vai a sua energia?

A energia vem muito da memória que tenho da minha avó. É uma lembrança que tenho muito viva. Ela sempre acordou muito cedo, sempre às 3h30 da manhã, para cuidar de mim e da minha irmã, deixar a gente pronto para a escola. Ela era semianalfabeta, mas muito inteligente, curiosa e sempre com sorriso no rosto, fazendo tudo com muita alegria. Ela faleceu há 12 anos, mas recebo essa energia até hoje e ainda lembro da mensagem que ela me passava de encarar o dia com coragem e esforço.

Como a sua energia se conecta com o negócio para o qual você trabalha na Shell?

Sou realizado porque minha função na companhia me proporciona ter contato com instituições de ensino e financiar projetos que, direta ou indiretamente, ajudam pessoas a se desenvolverem intelectualmente. Sinto que minha energia no trabalho pode ajudar a transformar vidas e desenvolver a sociedade.

Representatividade deste vídeo para o negócio da Shell Brasil

Contar a história do Leandro – um executivo negro que, ao entrar para o time da Shell Brasil, se interessou por descobrir mais sobre sua história pessoal e sobre o contexto histórico da desigualdade presente desde sua infância – é muito expressivo. Como gerente de Contratos de Pesquisa e Desenvolvimento, ele pode ajudar a transformar o futuro das pessoas e do setor, além de reforçar a mensagem de que a educação é, sim, importante e um dos principais instrumentos para irmos além. Inclusive, fomentar pesquisa e desenvolvimento para auxiliar no desenvolvimento socioeconômico dos locais onde opera é parte fundamental nas ambições do Grupo Shell.

E foi o contato que ele teve com a B Power que o fez ter consciência de temas que sempre o cercaram. Os debates propostos pela rede pela equidade racial, organizada pelos funcionários da companhia, expandiram as percepções sobre sua identidade e sua representatividade na sociedade. A Shell considera a política de Diversidade & Inclusão uma vantagem competitiva e uma parte imperativa do negócio. Por entender a força que tem como uma das maiores empresas de energia integrada do país e do mundo, a Shell tem como prioridade criar um ambiente inclusivo e diverso, no qual todos se sintam respeitados, acolhidos e seguros para expressar sua identidade e suas ideias.

Bárbara - Mar e alma

Conheça a história da Bárbara, a gerente de Operações de uma plataforma offshore que encontra no mar a fonte para renovar suas energias.

Conheça a história da Bárbara