No mundo todo, temos acompanhado um crescimento exponencial no campo das energias renováveis. De acordo com o último relatório da Agência Internacional de Energia, o segmento atingiu um novo recorde em 2021, e já será responsável por cerca de 95% do aumento da capacidade de geração de energia no mundo todo, até 2026, o que está alinhado às metas de descarbonização motivadas pelos avanços das mudanças climáticas.

Diante deste cenário, as práticas ESG (sigla para environmental, social and governance – ambiental, social e governança) têm ganhado cada vez mais força e relevância para as empresas. O objetivo destes três pilares é buscar ações que impactem positivamente o meio ambiente e a sociedade.

O último levantamento do CDP Latin América, realizado em 2021, aponta que as empresas brasileiras que afirmam já atuar de alguma maneira no compromisso do combate às mudanças climáticas subiu 45%. Cada dia mais consumidores têm se mostrado mais atentos às questões ambientais. Incorporar práticas ESG pode não apenas contribuir para transmitir credibilidade para os clientes, mas também aumentar a confiança do investidor e fortalecer a imagem da empresa.

Tudo isso pode agregar valor ao seu negócio e torná-lo ainda mais competitivo, afinal, o papel das empresas na transição energética e na redução das emissões de carbono é fundamental. Para se ter uma ideia da importância das práticas ESG, o presidente dos Estados Unidos aprovou junto ao senado americano, em agosto de 2022, um pacote de US$430 bilhões que tem como principal objetivo contribuir com a descarbonização, além da implementação de medidas sociais, e isso pode representar um importante passo diante dos demais países do mundo.

O pacote socioambiental norte americano propõe a meta de reduzir em pelo menos 40% a emissão de gases de efeito estufa até o ano de 2030, comincentivos fiscais para a compra de energia limpa, financiamento de projetos de autoprodução, além de ações que visam acelerar a transação energética e outros programas de cunho social e econômico. Aqui no Brasil, temos um cenário que apresenta vantagens competitivas no que diz respeito à energia renovável. De acordo com o último relatório da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), toda a matriz energética nacional conta com 45% de fontes renováveis. O estudo indica que este percentual é 3 vezes maior que a média global mais recente (14%).

Duas torres de transmissão, uma ao lado da outra, com vários fios ligando a outras torres que não estão na imagem. Ao fundo, um céu claro, com poucas nuvens.

Como a Shell Energy pode ajudar as práticas ESG da sua empresa?

A Shell Energy é líder global em inovação energética. Nosso principal objetivo é ajudar o seu negócio a obter eficiência, reduzir os riscos e o impacto ambiental, e, para isso, contamos com um amplo portfólio que permite um fornecimento robusto para te ajudar a atingir suas metas, com tarifas competitivas que podem contribuir para a mitigação de custos com eletricidade. Clientes, reguladores e acionistas estão cada vez mais exigindo que as empresas reduzam a pegada de carbono ao longo de toda a cadeia de suprimento. Com certificados de Energia Renovável (RECs e I-RECs) e compensações de carbono da Shell Energy, você pode reduzir as emissões de sua operação e controlar seus custos.

Descubra mais insights

Os desafios para um mundo net zero

Evitar, reduzir ou compensar as emissões dos gases de efeito estufa serão essenciais para manter o aumento da temperatura abaixo de 1,5 grau Celsius e assim minimizar os impactos das mudanças climáticas.

Diversificação da Matriz Energética

Como ela será essencial para o Brasil e o mundo suprir a demanda por energia, ter uma economia de baixo carbono e honrar seus compromissos com os tratados de redução de emissão de CO2.

Os bons ventos do Brasil

Assim como a energia solar, a energia eólica lidera a expansão das fontes de energia renováveis na geração elétrica mundial.

HTML5 Experiment: Show Content Block image on mobile
HTML5 Experiment: Shell mid blue