A energia da superação é o que impulsiona os jovens participantes da Shell Eco-marathon Brasil, que buscam incansavelmente para suas universidades o título de protótipo automotivo com maior eficiência energética em um dos três tipos de combustível. Nessa competição, realizada pela Shell há quatro anos no país, ganha o time que projetar, construir e dirigir o carrinho que percorrer a maior distância possível com a menor quantidade de energia. Em um espírito de colaboração e trabalho em equipe, dezenas de veículos vão para as pistas em busca de marcas históricas nas categorias Bateria Elétrica, Etanol e Gasolina.

A iniciativa é global. Criada em 1939, a Eco-marathon começou como uma aposta entre funcionários da Shell sobre quem conseguia ir mais longe usando a mesma quantidade de combustível. Hoje, 80 anos depois, a competição se estende por três continentes, com eventos anuais na Ásia, nas Américas e na Europa. Em sua 4ª edição, a versão brasileira reúne, no Rio de Janeiro, centenas de estudantes universitários de diversos estados, do Sul ao Norte do Brasil, além de times de outros países da América Latina.

A Shell Eco-marathon Brasil é um dos principais marcos do calendário da companhia no país e um dos pilares da Shell no debate em torno da transição energética. Com pesquisa, tecnologia e muita inovação, a competição estimula que estes futuros engenheiros possam encontrar maneiras criativas de reduzir emissões de carbono, desenvolver maior eficiência energética e lidar com os múltiplos desafios do transporte nas cidades. Ao longo dos anos, os times mostram, cada vez mais, que soluções para o futuro da energia podem surgir nestes paddocks. E tudo acontece na Cidade Maravilhosa, como parte do #oRioTemEssaEnergia, no pilar de educação da campanha [hiperlink].

Shell Eco-marathon Brasil 2019

Na quarta edição da competição, em 2019, cerca de 500 estudantes divididos em 37 equipes lotaram os Armazéns 2 e 3 do Píer Mauá, no Centro do Rio de Janeiro, na revitalizada Praça Mauá, bem pertinho do escritório da Shell. A energia para colocar em prática um projeto no qual eles se dedicam o ano inteiro é contagiante, com pesquisa energética, dedicação de tempo e muito trabalho em equipe.

Recordes por categoria na história da Shell Eco-marathon Brasil

Categoria do protótipo

Gasolina

Etanol

Bateria Elétrica

Distância percorrida

542,4 (km/l)

702,4 (km/l)

363,6 (km/kWh)

Equipe recordista

DropTeam

Pato a Jato

Eficem

Histórias para contar e recordes para bater

Os desafios da Shell Eco-marathon começam muito antes das voltas na pista, com muitas histórias de superação, força de vontade e emoção. Para chegar à disputa, muitos estudantes percorrem centenas de quilômetros em busca de um sonho e um futuro mais eficiente para as próximas gerações. Em pauta, educação científica e o futuro energético.

Os integrantes da equipe Roots, do Maranhão, que disputou a Shell Eco-marathon Brasil 2019 na categoria Bateria Elétrica, posam para a foto.
EQUIPE ROOTS

EQUIPE ROOTS

Para a Equipe Roots, do Instituto Federal do Maranhão, a viagem até o Rio de Janeiro foi longa em todos os sentidos. Os jovens participam da competição na categoria Bateria Elétrica desde sua primeira edição, em 2016, mas ainda não haviam sido aprovados na rigorosa inspeção técnica. Depois de passar o ano trabalhando nos ajustes no protótipo e realizando uma série de testes dentro e fora do laboratório, o time finalmente conseguiu duas marcas válidas na competição.

A resiliência também se mostrou presente em outro aspecto: o transporte do carro. Em 2018, foram três dias de viagem de ônibus, que quebrou no meio do caminho e quase fez os estudantes se atrasarem para o evento. No ano seguinte, a equipe conseguiu arrecadar R$ 18 mil para voar do Maranhão ao Rio de Janeiro. Como? Vendendo bebidas na tradicional Festa de São João.

“Tenho certeza de que a nossa foi uma das equipes que mais batalhou para participar da competição. Estamos muito felizes de termos conseguido alcançar duas marcas válidas. A Shell Eco-marathon é o evento do ano para nós, nossa equipe se dedica muito na construção do protótipo e na organização da parte logística, pois é muito difícil chegar do Maranhão ao Rio”, conta o capitão da Equipe Roots, o estudante de Engenharia Elétrica Dieliton Vieira.

Os integrantes da equipe Pato a Jato, vencedora da Shell Eco-marathon Brasil 2019 na categoria Etanol, posam para a foto.
PATO A JATO

PATO A JATO

Colaboração e integração: o formato da competição incentiva o trabalho de uma equipe multidisciplinar, composta por alunos de cursos como Comunicação, Administração e Contabilidade, além das diversas Engenharias. Veterana na competição, a Pato a Jato, por exemplo, funciona como uma pequena empresa e é formada pelas áreas de execução e administrativa, divididas em Recursos Humanos, Marketing, Tesouraria e Gestão de Projetos. A equipe da Universidade Tecnológica Federal do Paraná existe há dez anos e participou de todas as edições da Shell Eco-marathon Brasil, além de ter ganhado o prêmio Off-Track na Shell Eco-marathon Americas, nos Estados Unidos.

A líder do time, a estudante de Administração Marília de Almeida, conta que atua na área de gestão de comunicação e que recebe apoio de outros líderes que cuidam da parte de execução. Tricampeã da categoria Etanol, a Pato a Jato bateu recorde em 2018 ao alcançar a incrível marca de 443,7 quilômetros percorridos com apenas um litro de combustível - ou seja, praticamente a distância entre Rio e São Paulo. Depois de passarem o ano lapidando o protótipo, em 2019 bateram novamente seu próprio recorde, com impressionantes 702,4 quilômetros rodados com um litro de etanol.

 “Instalamos sensores novos, aprimoramos a parte de transmissão, nossa equipe está sempre pesquisando e fazendo testes para conseguir os melhores resultados nas pistas. Temos uma carga horária fixa de trabalho, como em uma empresa mesmo. Nos preparamos o ano inteiro para a Shell Eco-marathon”, conta Marília.

Os integrantes da equipe Drop Team, bicampeã da Shell Eco-marathon Brasil 2019 na categoria Gasolina, posam para a foto. CAPTION
EQUIPE DROP TEAM

EQUIPE DROP TEAM

Os outros dois ganhadores da edição de 2019 foram as equipes Drop Team, bicampeã na categoria Gasolina, e MecMack, que levou o troféu na categoria Bateria Elétrica.

Foi a primeira vez que o capitão da Drop Team, o estudante de Engenharia Mecânica Alisson Dalsasso, participou da Shell Eco-marathon Brasil. O protótipo já havia sido reformulado para ser transportado de avião para os Estados Unidos, em 2018, quando o time garantiu o terceiro lugar na etapa Américas. No Brasil, o novo modelo da equipe do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul bateu recorde ao percorrer 542,4 quilômetros com um litro de gasolina. Apesar de todos os obstáculos técnicos, o maior desafio do time é reunir recursos, diante da dificuldade de conseguir apoio na pequena Cidade de Erechim.

Os integrantes da equipe MecMack, vencedora da Shell Eco-marathon Brasil 2019 na categoria Bateria Elétrica, posam para a foto.
EQUIPE MECMACK

EQUIPE MECMACK

Com apenas três meses na MecMack, equipe da Universidade Presbiteriana Mackenzie (SP), a estudante de Engenharia Mecânica Grazielly Laraianny foi alçada à capitã do time. E trouxe sorte. A equipe levou o prêmio na categoria Bateria Elétrica, com a marca de 259,3 km/kWh. Ao falar sobre a vitória, Grazielly ressalta o sentimento de solidariedade e a experiência de trabalhar em equipe: “Isso ajuda muito no currículo para o mercado de trabalho. Com essa bagagem de liderar uma equipe, a gente desenvolve mais competências para enfrentar os desafios do mundo corporativo”, comenta.

Os integrantes da equipe Eficem, vencedora da Shell Eco-marathon Brasil 2019 na categoria Off-Track, posam para a foto.
EQUIPE EFICEM

EQUIPE EFICEM

Neste ano, foi concedida a primeira premiação Off-Track, que contempla os veículos com melhor desempenho em economia circular, entregue para a Eficem, da Universidade Federal de Santa Catarina.

Segurança em primeiro lugar

Passar na inspeção técnica é um dos grandes desafios para estes jovens e um dos momentos de maior expectativa, já que a Shell é bastante rigorosa e vigilante quando o assunto é segurança. Na edição de 2019 da Shell Eco-marathon Brasil, 10 funcionários da companhia participaram como voluntários da equipe técnica da competição, que avalia desde a verificação de itens de segurança até o design do veículo.

Com foco na disputa, o piloto da equipe Pé Vermelho demonstra concentração durante a Shell Eco-marathon
Inspeção técnica: na Shell Eco-marathon Brasil, a segurança está sempre em primeiro lugar.

“Temos um mindset muito forte de segurança na Shell e isso é reforçado dentro das regras da Eco-marathon. O papel da equipe técnica é checar um conjunto de itens para que os protótipos sejam aprovados totalmente em conformidade com o regulamento, como o freio, a parte elétrica, a pesagem do carro e o peso dos pilotos, entre outros”, explica a coordenadora da área de Câmbio da Shell, Marcia Trotte, que participou como voluntária no evento pela segunda vez.

A quarta edição da Shell Eco-marathon bateu recorde de equipes aprovadas na inspeção técnica – das 37 inscritas, 34 levaram seus carros para a pista e obtiveram marcas válidas.