Os desafios únicos da vida em uma ilha

Como uma das ilhas de maior importância econômica, o Japão precisa ser o mais autossuficiente possível para suprir suas demandas por energia. Mas ele também enfrenta os mesmos desafios que confrontam outras sociedades urbanas industrializadas pelo mundo, incluindo cidades superlotadas e ruas congestionadas. Até recentemente, a energia nuclear tinha um papel importante no fornecimento de energia do Japão. Mas após o incidente em Fukushima em 2011 e o fechamento das estações de energia nuclear do país, ficou claro que uma nova estratégia era necessária para equilibrar o crescimento econômico com as preocupações com o meio ambiente e a segurança. 

Construindo um caminho para o gás e as energias renováveis

Desde Fukushima, o gás natural e as centrais alimentadas por óleo surgiram para preencher a lacuna deixada pela energia nuclear, assim como as fontes de energia renovável, como eólica e solar. O país estabeleceu uma meta de 22-24% de sua energia ser gerada por renováveis até 2030, meta que em 2013 era de 11%. Centrais elétricas alimentadas pela queima de gás natural são perfeitamente adequadas a um crescimento das energias renováveis, já que podem ser acesas de forma relativamente rápida, perfeito para ocasiões em que o vento não está soprando e o sol não está brilhando. 

Essa mudança no mix de energia pode ser particularmente eficaz em cidades, trabalhando em conjunto com um sistema de cogeração de energia (CHP, em inglês) distribuída alimentado por gás natural. Um sistema de energia de geração distribuída funciona onde a produção de energia se espalha e se integra ao ambiente urbano, que é onde a maior parte da energia é utilizada, em vez de ter apenas uma matriz elétrica nacional. Um sistema de cogeração de energia distribuída também tem ganhos em eficiência substanciais, como a redução de perdas de transmissão, reciclagem de calor, diminuição de emissões e aumento de resiliência a condições climáticas extremas como terremotos e tsunamis. Integrar a geração de energia com outros sistemas, como água, aquecimento, resfriamento, esgotos e resíduos, não é apenas a chave para resiliência e sustentabilidade das cidades do Japão, mas também pode ser aplicada em outras “cidades inteligentes” pelo mundo.

A Shell tem orgulho de fazer parte da transição energética do Japão, em nosso papel de ser um dos maiores fornecedores de gás natural liquefeito do país.

Mais sobre Histórias de inovação de cidades